Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008

Alguns Videos Fado

COMPRE AQUI O CD
    Lúcio Bamond - Passado e Presente
Ampliar

 


    Lúcio Bamond - Passado e Presente http://www.portaldofado.net     ( Manufacturer )
    Preço: €15.00 (Inclui 21% IVA)    
   


Lúcio Bamond - Passado e Presente

Lúcio Bamond era ainda bastante jovem quando, se apaixonou pelo Fado. Começou a cantar, profissionalmente, em Paris, com apenas 17 anos de idade, regressando a Cascais um ano depois. Hoje, com mais de trinta anos de carreira artística, continua a cantar com um timbre e estilo muito próprio, que o distingue de outros fadistas. Sobre essa voz, o cronista Carlos de Castro pronunciou-se,um dia, desta maneira: "Ouvi ontem o Lúcio... Que timbre de voz perfeita..." Lúcio Bamond cantou em todas as casas de Fado da zona de Cascais, que tanto divulgaram o Fado nessa época. Arreda, Estribo, Forte Dom Rodrigo, Galito, Kopus Bar,Tabuínhas...

1- ADEUS TENTAÇÃO
2- AVÉ MARIA FADISTA
3- REGRESSO
4- SENHORA DO MONTE
5- SENHORA DA NAZARÉ
6- A NOITE QUE TE CANTO
7- LISBOA BERÇO DO FADO
8- UM BEIJO E UMA FLOR
9- LENDA DAS ROSAS
10- O PASSADO E O PRESENTE
11- JULIA FLORISTA
12- DISSE-TE ADEUS

Ano: 2008" class="ljvideo"> 
" class="ljvideo"> 
publicado por luciobamond às 10:58
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2008

COMPRE AQUI O CD

  Lúcio Bamond - Passado e Presente
Ampliar

 


  Lúcio Bamond - Passado e Presente http://www.portaldofado.net  
  Preço: €15.00 (Inclui 21% IVA)  
 


Lúcio Bamond - Passado e Presente

Lúcio Bamond era ainda bastante jovem quando, se apaixonou pelo Fado. Começou a cantar, profissionalmente, em Paris, com apenas 17 anos de idade, regressando a Cascais um ano depois. Hoje, com mais de trinta anos de carreira artística, continua a cantar com um timbre e estilo muito próprio, que o distingue de outros fadistas. Sobre essa voz, o cronista Carlos de Castro pronunciou-se,um dia, desta maneira: "Ouvi ontem o Lúcio... Que timbre de voz perfeita..." Lúcio Bamond cantou em todas as casas de Fado da zona de Cascais, que tanto divulgaram o Fado nessa época. Arreda, Estribo, Forte Dom Rodrigo, Galito, Kopus Bar,Tabuínhas...

1- ADEUS TENTAÇÃO
2- AVÉ MARIA FADISTA
3- REGRESSO
4- SENHORA DO MONTE
5- SENHORA DA NAZARÉ
6- A NOITE QUE TE CANTO
7- LISBOA BERÇO DO FADO
8- UM BEIJO E UMA FLOR
9- LENDA DAS ROSAS
10- O PASSADO E O PRESENTE
11- JULIA FLORISTA
12- DISSE-TE ADEUS

Ano: 2008
ESCUTE AQUI UM FADO
publicado por luciobamond às 14:01
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

MEU AMIGO MARIO HENRIQUES

mariohenriques
Mário Henriques

Mário Henriques nasceu em Matosinhos no dia 25 de Abril de 1973, e iniciou os seus estudos musicais aos onze anos na Academia de Música de Matosinhos (hoje Escola de Música de Óscar da Silva), aprendendo educação musical e guitarra clássica. Aos treze anos, interessa-se pelo fado aprendendo entre amadores o acompanhamento de diversos fados à viola, não demorando muito tempo a apaixonar-se pela guitarra portuguesa. Aprendeu os primeiros acordes com o Sr. Francisco Seabra, guitarrista amador, e seis meses depois já acompanhava alguns artistas em pequenos espectáculos de fado. Nos anos que se seguiram, e através de um processo autodidacta, desenvolve os seus conhecimentos musicais.

Em 1991 é convidado para integrar o elenco da casa de fados A Taverna de S. Jorge, por Jorge Barradas, com o qual ainda hoje mantém algumas afinidades artísticas e influências. Um ano depois, e durante quatro anos, a par com os seus estudos universitários, é guitarrista do restaurante típico O Fado, onde acompanha para além do elenco privativo, diversos artistas tais como Lenita Gentil, Vasco Rafael, Maria da Fé, Carlos Zel, Cidália Moreira, Deolinda Rodrigues, Fernanda Baptista, entre outros.

Durante este período integra também o grupo Quadrifonia, que fazia uma fusão da música clássica com a música popular portuguesa. Durante o seu percurso universitário, colabora intensamente com o Grupo de Fados de Engenharia da Universidade do Porto, onde aproveita para desenvolver os seus conhecimentos sobre o Fado de Coimbra. A sua actividade neste género de música complementa-se com as actuações que fez com o Grupo de Fados e Baladas de Coimbra para o qual compõe diversos arranjos para fados tradicionais.

A partir de 1996 passa a dedicar-se exclusivamente a espectáculos, abandonando as casas de fados, mantendo uma grande actividade como acompanhador, tanto em Portugal como no estrangeiro, sempre conciliada com a sua profissão de engenheiro civil. No Natal de 2000 é convidado por Ricardo Pais para participar no musical "Linha curva, Linha turva" por este encenado. Em 2001 é convidado pela organização do Porto 2001, para efectuar um concerto nos claustros do mosteiro de S. Bento da Victória, integrado no festival Um Porto de Fado, juntamente com alguns dos melhores artistas deste género musical, tais como Helder Moutinho, Beatriz da Conceição, António Rocha, Camané, Valdemar Vigário ou Mafalda Arnauth, bem como Pedro Caldeira Cabral e Ricardo Rocha. Actualmente dedica-se aos espectáculos, quer como acompanhador, quer como solista, bem como à gestão do seu pequeno estúdio de gravação, sempre a par da sua actividade como engenheiro civil.
publicado por luciobamond às 13:59
link do post | comentar | favorito

MEU AMIGO CAMANÉ

camane_2.jpg
Camané grava inéditos de Alain Oulman e Luís de Macedo

Ainda sem título, o álbum, que sairá em meados de Abril pela EMI Music Portugal, incluirá também dois poemas de Fernando Pessoa, que Camané cantará na melodia dos fados Menor e Jovita.

«Quando eu pensava que já não havia nada mais de Pessoa que pudesse ser cantado, descobri este dois poemas que interpreto em fados tradicionais», assinalou.

«Um deles diz 'deixei para trás os erros que fiz', e isso é como um lançar a capa que nos esconde à rua e não podemos recuperar, já não temos volta», adiantou o fadista.

As duas composições inéditas de Oulman, compositor de Amália Rodrigues, são para dois poemas de Pedro Homem de Mello, um deles intitulado «Sei de um rio».

«As composições foram cedidas pelos filhos Alain», explicou o fadista.

Também contactos com descendentes de Luís de Macedo, um dos poetas do álbum «Busto» de Amália, levam o intérprete a cantar quatro poemas seus inéditos, além de «Asas fechadas», uma criação da fadista falecida em 1999.

«É a primeira vez que gravo num álbum um fado de Amália de quem gosto mesmo muito e por quem tenho um respeito enorme. Arrisquei interpretar 'Asas fechadas' e faço-o à minha maneira, com arranjos só no contrabaixo», disse.

Outro poeta ligado à fadista e de quem Camané gravará poemas é David Mourão-Ferreira.

«Eu tinha vontade de cantar Mourão- Ferreira - contou - e o filho ajudou- me a encontrar aqueles exactos poemas».

Há seis anos sem gravar um álbum de inéditos, apesar «de nunca ter parado, e ter saído um CD e um DVD gravados ao vivo, para além da experiência gratificante que foi os 'Humanos'», Camané regressa com um CD que «terá 17 temas».

Traz consigo a equipa de sempre: José Manuel Neto na guitarra portuguesa, Carlos Manuel Proença na viola e Carlos Bica no contrabaixo, tendo na produção José Mário Branco, que o acompanha desde o álbum «Na linha da vida» (1998).

Entre os autores vivos que constam do novo álbum estão Sérgio Godinho, Jacinto Lucas Pires, o próprio José Mário Branco e Manuela de Freitas, que assina «Ciúmes da saudade».

À Lusa, o fadista afirmou ainda: «Procuro fazer aquilo que é o meu trabalho, sem outras distracções, nem me preocupar com os críticos, fazê- lo da forma mais honesta possível».

O trabalho está em fase de estúdio, «onde - observa Camané - tudo começa e de onde tudo parte. Há ainda coisas a apurar».

«Esta fase de estúdio, de que gosto imenso, é o princípio de tudo, é quando nos colocamos na pele de cada um dos fados que cantamos, quando os interiorizamos», acrescentou.

publicado por luciobamond às 13:56
link do post | comentar | favorito

CD NOVO

VIDEO NOVO CD
publicado por luciobamond às 13:36
link do post | comentar | favorito

A SAGA DO PREMIO GOYA CARLOS DO CARMO

Mais uma vez, ao contrário do que diz o Sr. Charmoso, manter e respeitar as origens e tradições do fado não é mumificá-lo! É mantê-lo vivo, eterno e português! O fado tradicional é como o mar! O mar deve ter os milénios que tem a terra; mas, nem por isso deixa de ser contemporâneo. O mar, começou por ser conquistado pelo homem com troncos de árvores! Depois, mudaram-se os tempos e surgiram as caravelas! Como o tempo não pára, já vamos nos porta-aviões! Mas, o mar, ainda é o mesmo velho e contemporâneo!
Com o Fado é exactamente a mesma coisa! Todos os fados tradicionais são velhos e eternamente contemporâneos! Estes fados, começaram por ser conquistados pelos povo com a chamada “poesia de cordel”; depois surgiram outros tempos, outros poetas e compositores populares que deram ao fado as “caravelas” e agora, já vamos nos tais porta-aviões sem ser preciso mudar de mar! Portanto, façam “novos barcos” para o “mar dos fados”!
Por alma de quem, é que alguém fica mumificado ou mumifica o fado, se continuar o resto da vida a cantar todos os poemas que lhe surgirem próprios para fado, nos fados tradicionais? A contradição do “fadista louco” é de tal maneira constante que o que eu acabo de dizer, é exactamente o que ele acaba de fazer com o seu último disco – “À Noite”! Gravou “barcos novos” em fados que, segundo ele, já estão cristalizados no tempo! Como não deve nada à inteligência, leva-nos a crer que fez este disco de tradicionais para, em nome do estrangeirismo estúpido e doentio que o destrói, mumificar o fado e os fadistas! Ele nem sequer compreende porque é que o mundo ouve Beethoven, Verdi, Mozart, etc., há já não sei quantos séculos! Será porque o povo é estúpido e retrógrado ou porque cada macaquinho deve estar no seu galho? O fado, tem antecedentes invioláveis na sua estrutura musical popular e poética que o impedem de ser mutilado para ser fado-rap, fado-flamenco, fado-rock ou outra vigarice qualquer. O Fado é auto-suficiente. O Fado tem vida própria; o Fado é único no mundo. O que acontece é que o “embaixador” do Sr. Santana Lopes, na realidade, não gosta de fado; e, por isso, tenta levá-lo para um patamar que a ele lhe parece superior, para se sentir superior, sem perceber que esse patamar não é o do fado e, por consequência, o Sr. “embaixador” leva a vida a cair, a dar tombos desse patamar. Qualquer dia, vão chamar-lhe a “Torre do Tombo”! O “embaixador” não suporta os adjectivos qualificativos que os dicionários da língua portuguesa têm atribuído ao substantivo comum de dois, fadista. Ele só admite ser fadista ao nível de Frank Sinatra; por isso, não dá sessões de fado nem concertos, mas sim, recitais. Quando ele diz que não entende um fado cantado sem alegria, está a dizer a todo o mundo que não percebe nada de fado! Porque, na realidade, não há fado triste nem alegre! Porque o Fado é simplesmente sério! O que pode acontecer em todos os fados, é alguém cantar uma história triste e até sinistra (isto, sobre a estrutura de um fado sobre a qual até se podem cantar fados humorísticos). Portanto, a alegria ou a tristeza no fado emana dos conflitos dos poemas e nunca da sua estrutura musical. Ele diz que Paco de Lucia internacionalizou o flamenco! Quem terá impedido o Sr. Charmoso de ter feito a mesma coisa com o fado? Salazar? Este, já morreu há mais de 40 anos! Então o que é que o Sr. Charmoso tem andado cá a fazer, há 45 anos? Sabe, Sr. “Fadista Louco”, Amália já internacionalizou tudo quanto havia para internacionalizar! Quando ele diz que recebeu críticas violentíssimas por ter gravado “Um Homem na Cidade” insulta os portugueses porque é mentira; ninguém deu a mínima importância a esse disco que, segundo ele, é hoje um dos grandes discos da história do fado. Mas, porque esta afirmação é feita pelo Sr. C. Carmo, passa a ser mentira! O impacto deste disco foi de tal maneira insignificante que até agora no filme “Fados – Saurganhada”, o “pobre” versículo de Alfredo Marceneiro, reduziu o “Homem na Cidade” à sua insignificância. O Sr. C. Carmo não tem a honestidade nem a humildade para dizer aos seus fãs que qualquer artista de qualquer nacionalidade pode cantar qualquer fado desse disco; basta-lhe aprender a melodia e um poema no seu idioma, uma vez que essas melodias são criadas com a mesma espontaneidade com que se criam todas as melodias populares da música ligeira do mundo. O fado tradicional não funciona assim! O fado tradicional não é um acto de canto universal! O fado tradicional é uma ferramenta da qual o cantador se serve na esperança de com ela fazer acontecer o fenómeno Fado! Da mesma maneira, que um cacho de uvas não é vinho, também um fado pode não ser Fado. Um fado, precisa de ser tratado e dominado para resultar em Fado, da mesma forma que o “cacho de uvas” para resultar em champanhe. E, isto só está ao alcance dos fadistas! No fado musicado recente é mais apelativa a voz, a melodia e, sobretudo, a orquestração. Mas, se existe alguma arte popular para cantar fado, pela sua originalidade, é a de cantar Fado Tradicional e não a de cantar fado-canção. Essa mania doentia de que o Fado tem de ser internacionalizado, só faz ninho em cabeças ocas. Os Blues, quem os quiser ver e ouvir na sua máxima plenitude e verdade, terá de ir a New Orleans. Basta que se faça o mesmo com o fado para o manter internacionalizado! Quando ele pergunta: “Qual é o problema de haver um rapper a homenagear Alfredo Marceneiro?” logicamente que não é nenhum. Toda a gente tem o direito de homenagear quem quiser. Só que, como é hábito do Sr. Charmoso, está a esquecer-se (como lhe convém) que andou a dizer ao mundo que o filme onde se faz essa homenagem “é uma visão do Sr. Saura sobre o Fado!” Ora, o que isto quer dizer, é que rap, por mutilação, misturado com fado também pode ser mais uma vertente fadista. Como de costume, isto é mentira. Essa homenagem, é o mesmo que um grupo de criadores de porcos resolver homenagear um toureiro! Claro, que não tem mal nenhum, desde que essa homenagem não pretenda meter na cabeça das pessoas que criar porcos é mais uma vertente da tauromaquia! Isto, com todo o respeito que me merecem os criadores de porcos. Que necessidade terá este pobre de Cristo de dizer tantas baboseiras? E, de dizer, sem querer dizer, que Marceneiro era um músico de jazz? Será para os herdeiros de Marceneiro lhe perdoarem o roubo do prémio Goya? Ou será, porque alguma vez, Alfredo Marceneiro tocou “jaxofone” no Faia? Porque é que ele não diz simplesmente que Marceneiro foi o expoente máximo do fado (no masculino) do último século, como actor “cegadas”, cantador e compositor? Por alma de quem é que o Sr. C. Carmo resolve arcar com uma responsabilidade fadista que ninguém lhe atribuiu e que não é mais nem menos que a mesma responsabilidade que cabe a cada fadista? Será por ser filho de uma cantadeira de fado? Então, qual será a responsabilidade de Vítor Marceneiro que até já é neto do maior cantador de fado do século passado? Mas, que palhaçada vem a ser esta? Farto-me de rir, quando o Sr. Mentiroso tem a lata de falar de debates, alegando que [b]“são sempre interessantes, úteis e vivos”. Onde e quando é que ele realizou esses debates? Onde e com quem é que ele debateu a vigarice dos prémios Goya? Onde e com quem é que ele debateu a burla cultural e financeira que é o filme “Fados – Saurganhada”? Onde e com quem é que ele debateu a compra do espólio discográfico, a um inglês que não tinha mais ninguém a quem o vender e que mesmo assim, nos custou uma fortuna? Que interesse terá para a Unesco este espólio, se o Sr. Charmoso anda a fazer um, muito mais valioso, misturando fado com rap, com flamenco, com rock, etc., etc.? Porque no te callas?[/b]A Bem da Nação Fadista
Palavras da Salvação
Fernando Zeloso
publicado por luciobamond às 13:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

FADOS DE PORTUGAL VIDEO

"
publicado por luciobamond às 11:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O MEU FADO CUMPLICE

. http://fadoluciobamond.tr...

. Alguns Videos Fado

. COMPRE AQUI O CD

. MEU AMIGO MARIO HENRIQUES

. MEU AMIGO CAMANÉ

. CD NOVO

. A SAGA DO PREMIO GOYA CAR...

. FADOS DE PORTUGAL VIDEO

. A MINHA BIOGRAFIA

.arquivos

. Dezembro 2009

. Fevereiro 2008

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds